Reading:
Não invista em anúncios sem saber PELO MENOS isso.

Image

Não invista em anúncios sem saber PELO MENOS isso.

by Jova
Abril 5, 2018

Você gosta de desperdiçar dinheiro?

 

Para muitas empresas, pequenas ou grandes, existe uma linha muito fina entre a percepção sobre a verba de marketing: custo necessário ou investimento vencedor?

 

Quando você paga por um anúncio, existe o risco de que ele não traga retorno e isso normalmente acontece por dois motivos.

 

  • Você anuncia para o público errado. Essa é a forma mais fácil de queimar dinheiro. Não espere que a mãe de uma criança de 12 anos dará a mínima atenção para o seu anúncio de fraldas para bebês
  • Você anuncia para o público certo, mas eles não sentem confiança no seu negócio, acreditam que não precisam do seu produto ou simplesmente não entendem o que você faz.

 

As duas causas estão relacionadas a falta de capacidade de mostrar o valor do que você vende para os clientes.                            

 

A primeira coisa que você deve ter em mente é que ninguém está realmente interessado em comprar produtos e gastar dinheiro.

 

As pessoas compram benefícios para se sentir bem ou soluções para resolver um problema. A lógica é simples, se elas não perceberem o seu valor, não tem pagamento.

 

Cada pessoa tem a sua própria percepção do que é valor.

 

  • Noivas pagam fotógrafos caríssimos para que registrem um acontecimento único em suas vidas.
  • Mamães pagam creches para que seus filhos estejam seguros e sejam bem cuidados enquanto elas precisam focar em outras atividades
  • Profissionais compram cursos de especialização para melhorar suas habilidades no trabalho e aumentar suas chances de obter crescimento onde trabalham.

 

Você deve identificar para quem você deveria vender, o valor da sua solução e apresentá-la em todas as oportunidades para aumentar a efetividade das suas ações.

 

Nesse artigo, vou mostrar alguns conceitos fundamentais que você poderá usar como base para resolver essa equação.

 

Seu cliente é medroso, não sabe o que quer e não faz ideia de como funciona a sua solução.

 

A marca é a ponte que liga as percepções das pessoas a um produto ou serviço de uma empresa.

 

É a promessa de resultados. Um atestado de credibilidade. Ela gerencia as expectativas de compra com relação ao que é vendido.

 

Logo, uma marca que não transmite com clareza o seu valor, torna-se um belo pára-raio de clientes, afugentando-os para o concorrente mais próximo.

 

No ambiente online, chamamos isso de MIDs: medos, incertezas e dúvidas.

 

Eles são os principais inimigos da sua venda final. Se manter uma boa taxa de conversão fosse um jogo de videogame, você ganharia ao reduzir a taxa de MIDs dos seus visitantes.

 

Por outro lado, ter uma taxa alta de MIDs significa game over para a venda.

 

Seu usuário não quer correr riscos. Não quer colocar seus dados em um ambiente duvidoso e não quer comprar algo que pode não atender suas expectativas.

 

Por isso, você deve criar um ambiente que reduza os medos (“meus dados estão seguros?”), incertezas (“Como faço essa compra?”) e dúvidas (“Esse produto tem poucas informações, melhor não comprar”)

 

Ok, você está em dúvida sobre como deveria fazer isso, certo?

 

Pessoas, necessidades e benefícios

 

Se você pesquisar um pouco sobre o básico do marketing por aí, vai encontrar muitos artigos falando sobre “4 Ps”, “8Ps”, “16Ps”, “72Ps”, mas não se engane, de todos estes o “P” mais importante é o de “Pessoas”.

 

Sem pessoas, não há venda, não há negócio. E o que seria mais importante do que seu cliente?

 

O comportamento do seu público deve ser o mapa que guia todos os seus esforços.

 

As perguntas mais importantes que você deveria fazer nesse momento são:

 

  • Quais são suas necessidades?
  • Como meu produto as ajuda?
  • Como eu preciso fazer com que se sintam ao entrarem em contato com minha marca para mostrar que sou relevante?

 

Segue uma pequena história para ilustrar esse conceito:

 

Ana quer comprar um sabonete artesanal pois ela não gosta de produtos industrializados. Como ela é alérgica, antes de fazer a compra de qualquer produto de uso corporal, verifica seus componentes para saber se não terá algum efeito negativo.

 

Mas ao entrar em contato com uma loja online de sabonetes artesanais que encontrou no Google, encontra pouquíssimas informações. Nada sobre o processo de produção dos sabonetes, muito menos sobre as substâncias que ele leva.

 

Ana se sente insegura e não finaliza a compra.

 

Se a loja de sabonetes artesanais soubesse que isso é determinante para que Ana finalize a compra, criaria conteúdo em seu site para convencer Ana de como o produto é feito e que não tem contraindicações.

 

O final da história teria sido diferente. Ana sentiria segurança no produto e compraria com gosto, afinal, adora produtos orgânicos.

 

Pense como o seu público e entenda suas necessidades para que eles se importem com o que você fala.

 

Seja Ana. seja Maria, seja Leonardo, seja a pessoa para quem quer vender para entender como tomam a decisão de compra.

 

Ter essa compreensão vai te ajudar a criar um encaixe as necessidades do seu público e a sua declaração de valor para criar uma comunicação vencedora!

 

Olhe seu site, seu email marketing, suas mídias sociais. Alinhe toda a comunicação com as necessidades do seu cliente em potencial para que ele enxergue valor no que você faz.



0 Comments

Deixe uma resposta

Related Stories

Junho 19, 2019

Lean Marketing: Como ter ROI antes de gastar toda sua verba.

by
Abril 10, 2018

A matemática simples das marcas virais!

by
Arrow-up